• Revestimentos

    Segunda-Feira, 27 de Junho de 2016

    O SILICATO é um dos principais componentes químicos do CIMENTO, matéria-prima que inspira a belíssima COLEÇÃO SILICATO HD, da CERÂMICA PORTINARI.

    Para desenvolver a linha, os designers da marca reproduziram os conglomerados – compostos por CONCRETO, PEDRAS DE RIO e CRISTAIS DE AREIA selecionados. As DIMENSÕES e CORES PRECISAS conferem RIQUEZA e COMPLEXIDADE VISUAL às peças.

    As PEQUENAS PEDRAS visualizadas na superfície dos produtos são SELECIONADAS criteriosamente e, em uma mesma peça, é possível encontrar diferentes CORES, TRANSPARÊNCIA e DIMENSÕES, dando MOVIMENTO às paginações. Um LVE BRILHO foi adicionado em meios às pedras para ENRIQUECER os projetos.

    A TEXTURA também foi modificada para adequar às NECESSIDADES de cada ambiente: o ANTIDERRAPANTE para ÁREAS EXTERNAS e a versão ACETINADA para ÁREAS INTERNAS. Disponível no formato 90x90cm e nas cores WH, GR e DGR, esta coleção reforça a ATUALIDADE do CONCEITO destes produtos.

    A Coleção Silicato HD pode ser usada em PISOS, PAREDES e até mesmo em COLUNAS e BANCADAS. É uma excelente opção para quem quer deixar o ambiente RÚSTICO e ao mesmo tempo SOFISTICADO.

    Venha até a Aldeia e deixe-se encantar pela Coleção Silicato HD e todos os outros produtos da Cerâmica Portinari!

    Imagens: Cerâmica Portinari / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 27 de Junho de 2016

    O cenário é fabuloso: uma casa com iluminação cênica à noite e muita luz natural durante o dia, longe do barulho do trânsito – só o silêncio de uma floresta, com o ruído do vento e o eventual canto de um pássaro errante.

    Somado a tudo isso, uma grande piscina com águas esverdeadas no deque cercado por uma vasta mata.

    O resultado é esta morada em Bridle Road, na Cidade do Cabo, África do Sul, onde quem reina é a tranquilidade e a paz, graças a um projeto arquitetônico tirou o máximo das linhas retas e do pé-direito alto, assinado pelo chileno Antonio Zaninovic.

    Localizada no alto das montanhas, a residência tem lá sua vocação de mirante, proporcionando vistas panorâmicas para a natureza do lado de fora.

    Moderna e elegante, a decoração dos interiores é inspirada no design escandinavo, com toques clean, muito branco e poucos móveis e acessórios.

    A divisão dos ambientes interiores foi feita com cuidado, incluindo até janelas que funcionam como verdadeiros “quadros verdes”. Através delas, vê-se o porto da Cidade do Cabo, mas as aberturas da arquitetura não comprometem a privacidade.

    Outra preocupação do projeto foi a integração dos ambientes externos e internos, que traz a natureza para dentro de casa.

    Foram utilizadas soluções sustentáveis, incluindo a piscina ao ar livre que é autolimpante, ventilação natural cruzada, moderador climático que funciona por meio da temperatura da terra, além da utilização máxima de materiais locais, como acabamentos de concreto e madeira.

    Imagens: Reprodução / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Sexta-Feira, 24 de Junho de 2016

    Um mar absolutamente azul e uma praia quase deserta na Costa Brava, região litorânea no nordeste da Espanha, formam uma imagem bem próxima daquilo que muita gente chama de paraíso. Mas há quem pense que só isso não basta.

    O arquiteto Jordi Garcés, de Barcelona, recebeu de um cliente a deliciosa missão de projetar uma casa em um terreno íngreme, com uma visão de tirar o fôlego e excelente orientação solar em todos os cômodos.

    Com o desafio lançado, o arquiteto tomou para si a missão de praticamente trazer a praia para dentro de casa. E conseguiu.

    Quem relaxa na piscina retangular de borda infinita, por exemplo, tem a sensação estar no mar. Já quem está na varanda têm o privilégio da companhia da imensidão do mar, logo ali ao lado.

    Numa casa de natureza tão estonteante, a arquitetura privilegiou o lazer. Para tanto, Garcés criou um ginásio e outros espaços recreativos no nível subterrâneo da residência, além da pérgola de madeira ao lado da piscina.

    A verticalidade da propriedade divide a morada em quatro andares diferentes, sendo que cada um conta com diferentes elementos programáticos, todos proporcionando vistas deslumbrantes para o mar.

    Jardins suspensos e um pequeno pátio ao ar livre também foram criados no topo da casa, uma espécie de mirante que conta ainda com muro de pedras com plantas.

    O quarto também possui um terraço do lado de fora, com acesso pelas portas envidraçadas, e ainda ganhou um cantinho de leitura com a poltrona do casal Ray e Charles Eames.

    Para manter a estética do Mediterrâneo, o arquiteto lançou mão de revestimentos como gesso em estuque branco. No mais, quem reina é a protagonista da morada: a paisagem do lado de fora.

    Imagens: Adria Goula / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Revestimentos

    Quarta-Feira, 22 de Junho de 2016

    Observando os grandes CENTROS URBANOS ao redor do mundo é possível perceber que muitos sofrem com a SUPERPOPULAÇÃO, o que gera AGLOMERAÇÃO de CARROS e FÁBRICAS, e causa grande POLUIÇÃO DO AR. A parte mais nociva desta poluição é conhecida como NOx (óxidos e dióxidos de nitrogênio), responsáveis por muitas doenças respiratórias.

    É muito comum, então, a criação de MEDIDAS PALIATIVAS como o rodízio de carros, a implantação de ciclovias, o uso de catalisadores em carros e a elaboração de normativas com limites para a emissão de poluentes. No entanto, essas medidas não são suficientes para solucionar a situação.

    Assim, para colaborar com SOLUÇÕES EFETIVAS para o meio ambiente, a CASTELATTO lançou a TECNOLOGIA DENOx, que, como o próprio nome diz, trabalha na DEGRADAÇÃO (DE) dos ÓXIDOS e DIÓXIDOS de nitrogênio (NOx).

    Podendo ser aplicado em PISOS e PAREDES, a grande VANTAGEM do DENOx é que na superfície do produto ocorre uma REAÇÃO QUÍMICA FOTOCATALÍTICA quando o mesmo se encontra em contato com a umidade do ar e luz solar, ou seja, os NOx são convertidos em nitratos, ELEMENTOS BENÉFICOS para a natureza e servem de ADUBO para plantas.

    A tecnologia Denox é capaz de eliminar até 40% da CONTAMINAÇÃO do ar. Além disso, a tecnologia proporciona outros BENEFÍCIOS, como PROPRIEDADES BACTERICIDAS e a degradação de manchas de origem orgânicas.

    O Denox pode ser usado em FAIXADAS DE PRÉDIOS, PAVIMENTAÇÃO DE CALÇADAS, PRAÇAS, ÁREAS DE LAZER e RUAS próximas ao tráfego intenso.

    Venha até a Aldeia e conheça mais sobre a tecnologia Denox e todos os belos produtos Castelatto!

    Imagens: Castelatto / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 20 de Junho de 2016

    Atravessar um rio de uma margem à outra nunca foi tão difícil como na pequena Purmerend, no norte da Holanda.

    Isso porque uma ponte da cidade oferece dois caminhos para os transeuntes: quem está a pé deve subir o equivalente a quatro andares numa íngreme escada com inúmeros degraus, apenas para descer o mesmo percurso depois; e quem está de bicicleta pode optar por cruzar um longo e tortuoso caminho.

    Mesmo assim, a Melkwegbrug (“Ponte Via Láctea” em português), projeto do escritório Next Architects, vem recebendo elogios.

    Supostamente, o visual da cidade desde o alto da ponte é fantástico. Talvez seja o espírito de vitória daqueles que a escalaram até o topo – afinal, são apenas 12 metros de altura, não se pode considerar a nova atração um mirante.

    A ponte faz parte do plano diretor da cidade e visa ligar o distrito Weidevenne à cidade histórica. O seu design possibilita que pedestres e ciclistas atravessem o rio por caminhos independentes.

    Eficiente, sim. Prático nem tanto. Para ir de uma margem à outra sobre duas rodas é preciso desenhar um grande “Z” que contabiliza mais de 100 m de percurso.

    No entanto, a razão para um trajeto tão aumentado é nobre. Os responsáveis pelo projeto optaram por manter uma inclinação suave nesta rampa, adequada não apenas para as bicicletas, mas também para o tráfego de cadeiras de rodas. O desnível a ser vencido entre as margens do rio impôs o longo caminho.

    Assim, voltamos ao começo: a íngreme subida que pedestres precisam encarar para cruzar o rio é a altura mínima para garantir que ciclistas pedalem sem problemas na pista em “Z” abaixo. De qualquer forma, a dúvida permanece: por qual caminho fazer a travessia?

    Imagens: Jeroen Musch / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 06 de Junho de 2016

    Quando se observa esta casa, é difícil acreditar que tudo nela foi decidido à distância.

    Os proprietários passavam uma temporada fora dos Estados Unidos quando solicitaram o projeto aos arquitetos do escritório Blaze Makoid Architects.

    A residência ampla e arejada, de acordo com os profissionais, é resultado de um investigação das formas tradicionais.

    De fora tudo leva a crer que se trata de uma casa clássica, com telhado em duas águas.

    Internamente, no entanto, a estrutura da laje se mostra plana. Amplas janelas e portas de correr com caixilhos metálicos cobrem a obra de uma ponta a outra, trazendo luz natural constante.

    A decoração segue uma linha neutra, com móveis em tons claros, como cinza, branco e bege.

    A madeira surge no piso e em determinados ambientes – na sala de banho, por exemplo – utiliza o material em versões ripadas combinadas com mármore.

    Para funcionar como um retiro no verão, a casa conta, ainda, com uma série de ambientes voltados ao amplo gramado e à piscina. Puro aconchego!

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Sexta-Feira, 03 de Junho de 2016

    Vintage, pop, colorido e estampado. Vários estilos e elementos se misturam na decoração de um apartamento em Ipanema, no Rio de Janeiro, assinado pelo escritório André Piva Arquitetura.

    A encomenda foi feita por um jovem casal que trabalha com moda e design, e o estilo industrial seria o fio condutor. A partir daí, os profissionais se inspiraram no próprio estilo dos moradores e ficaram à vontade para criar. O resultado é um décor descontraído, colorido e inusitado.

    O casal é fã de excessos, por isso não há um lugar sequer sem algum detalhe – seja uma parede colorida, uma textura ou um objeto descolado. Além disso, as coleções de toy art e livros ocupam quase todos os espaços.

    A paleta é variada. Além de tons neutros, é composta pela combinação de turquesa, vermelho e amarelo, que traz personalidade e cria uma atmosfera divertida.

    Entre as ousadias do projeto está a parede de tijolos à vista na sala, que ainda exibe os eletrodutos de metal, evocando o estilo industrial. O piso de tecnocimento também traz a ideia de uma atmosfera urbana.

    Para contrastar com as cores neutras, o home theater ganhou um móvel de marcenaria preta e um tapete turquesa. Na parede da sala de jantar, destaca-se uma fotografia supercolorida de Valentino Fialdini.

    Um aspecto interessante no mobiliário é a mistura de peças contemporâneas com elementos vintage, a exemplo da mesa de jantar de laca amarela com as cadeiras de palhinha.

    Outro ponto interessante é a estante azul, que se funde a uma cristaleira de madeira antiga, criando uma composição única.

    No estar, o sofá de linhas retas e a mesa de centro amarela também fazem um contraponto elegante com as poltronas de madeira e couro.

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 30 de Maio de 2016

    Com vista para a baía de Sag Harbor e a ilha Shelter, nos Estados Unidos, uma casa de desenho super contemporâneo desfruta de uma paisagem deslumbrante!

    Assinado pelo escritório Blaze Makoid, o projeto leva em conta o cenário e exibe grandes portas de vidro deslizantes para seja possível contemplar a natureza abundante do lado de fora.

    A área social no piso térreo tem espaços fluidos e sem divisões, onde está instalada a cozinha, a sala de jantar e a área ao ar livre, com acesso à piscina.

    Uma vez por semana há uma competição de veleiros na baía, em frente à casa, por isso, há um pequeno deque no segundo andar para poder apreciar a paisagem e assistir à corrida.

    Nesse espaço há ainda um telhado verde, que dá a sensação de se estar em um jardim com espécies que podem sobreviver sem irrigação constante.

    Com um desenho inspirado no terreno que ocupa, a casa tem sua entrada em uma parte mais estreita e de lá se estendem duas alas, uma para a direita e outra para a esquerda.

    Entre os principais materiais utilizados na estrutura, estão pedras e a madeira cedro-vermelho. Nos revestimentos, destaque para o carvalho branco, que reveste o piso da área social. Já na área da piscina, o porcelanato foi o acabamento escolhido.

    A decoração exibe um mix interessante de peças que mesclam o estilo rústico e minimalista, criando uma atmosfera aconchegante de uma casa perto da natureza, mas sem perder a elegância.

    Imagens: Marc Bryan-Brown / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Sexta-Feira, 13 de Maio de 2016

    Camadas bem definidas segmentam uma casa localizada em Melbourne, Austrália, criada pelo escritório Jolson Architecture. Três fatias compõem o projeto, separadas por uso: coletivo, íntimo e lazer.

    No térreo ficam as salas de estar, jantar e de relaxamento, onde o ambiente é mais descontraído. O primeiro andar está a área privativa do casal, com o quarto principal, a biblioteca, o escritório e o terraço, na cobertura. No subsolo, reinam o entretenimento e os esportes. Um vazio central atravessa o volume, garantindo iluminação e ventilação a todos os pavimentos.

    Embora o exterior seja brutalista, os interiores são meticulosamente decorados. Os materiais utilizados do lado de fora penetram o edifício. A arquitetura esconde e integra os sistemas mecânico, elétrico e hidráulico. A solução eleita prioriza quatro pontos: luminosidade, calor, ligação dos espaços e continuidade de materiais.

    Por dentro da casa, volumes verticais e horizontais trabalham a luz natural e a sombra. Cada superfície tenta criar uma sequência, proporcionando uma experiência totalizante. Por isso os cômodos se interpenetram; as divisões dos ambientes não decorrem das paredes, mas das camadas de cores, luz e sombra.

    Lâminas de concreto alinhadas ao eixo norte-sul permitem que a insolação entre na casa sem delongas. Além disso, as aberturas incrustadas entre os pilares oferecem aos moradores um visual fragmentado em quadros, muito interessante.

    Nas paredes do átrio central há a aplicação de uma tela metálica, responsável por criar, no interior, sombras texturizadas que dançam pelas paredes e pelos pisos do térreo e do subsolo. Também o vazio age como uma chaminé térmica, levando ar fresco até a base, onde a lagoa tem efeito refrigerador.

    No andar inferior, semienterrado, a abundância de luz permite o uso de tons escuros. Ali aparecem então o aço, o couro e a pedra. O jogo entre a escuridão e a água da piscina cria uma experiência sensorial única.

    No andar superior, as cores assumem um papel diferente: o mobiliário claro é “dela”, e o escuro demarca a área “dele”, especialmente no escritório.

    Imagens: Peter Bennets / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 23 de Maio de 2016

    A Maggie's, instituição de tratamento e apoio ao câncer reconhecida no Reino Unido, inaugurou recentemente uma nova unidade na cidade de Manchester, projetada pelo premiado escritório londrino Foster+Partners.

    Todo feito de madeira e rodeado por vidros, o espaço está longe de parecer um hospital: possui acolhedores jardins que fazem com que os pacientes se sintam como se estivessem dentro da própria casa, apostando na arquitetura como parte da terapia.

    Organizado em um único andar com mezanino, perfil baixo similar ao das residências ao redor, o edifício é naturalmente iluminado por claraboias triangulares sustentadas por vigas de madeira.

    Essas estruturas agem suavemente como divisórias internas, dissolvendo a arquitetura aos jardins que circundam o espaço. Por todos os lados, a luz natural e o verde das plantas se faz presente.

    Cada sala de tratamento da porção leste possui seu próprio jardim privativo. A extremidade sul conta com uma estufa, onde os pacientes podem se reunir para a prática da jardinagem terapêutica. O paisagismo ficou por conta do Dan Pearson Studio.

    Corredores e identificações típicas de hospitais saíram de cena para proporcionar o clima de casa. A paleta combina cores suaves, vidro, madeira e superfícies táteis. Há espaços que incentivam reuniões, bibliotecas e salas de ginástica.

    O objetivo foi criar um edifício acolhedor, simpático e sem qualquer referência hospitalar. Um espaço cheio de luz, com vegetação, onde as pessoas possam se reunir, conversar ou simplesmente refletir.

    Imagens: Nigel Young / Foster+Partners / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Posts anteriores
  • Loja Goiânia

    (62) 3093 1717

    Newsletter

    Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: