• Gastronomia

    Domingo, 06 de Novembro de 2016

    Um dos mais famosos bolos caseiros certamente é o bolo de cenoura, cujo sabor fica ainda mais irresistível com uma cobertura de brigadeiro. E como brigadeiro nunca é demais, ele ganha uma versão turbinada: o bolo “Vulcão de Cenoura”, que leva mais cobertura do que se possa imaginar. É tanto brigadeiro que, ao cortar, jorra cobertura para todos os lados! Difícil não ficar com água na boca!

    Ingredientes:

    Bolo

    3 cenouras descascadas e picadas

    3 ovos

    1 xícara (chá) de óleo

    2 xícara (chá) farinha de trigo

    2 xícara (chá) de açúcar

    1 colher (sopa) de fermento em pó

    Calda de Brigadeiro

    2 latas de leite condensado

    3 colheres (sopa) de chocolate em pó

    ½ xícara (chá) creme de leite

    Granulado para decorar

    Modo de preparo:

    Bolo: No liquidificador, coloque as cenouras, ovos, e o óleo. Bata até ficar uniforme. Reserve. Em uma tigela, peneire a farinha de trigo, fermento e açúcar. Misture os ingredientes secos. Adicione a mistura do liquidificador na tigela. Mexa até formar uma massa homogênea. Unte uma forma de buraco no meio com manteiga e farinha. Despeje a massa na forma. Leve ao forno, 180°C, e asse de 30 a 40 minutos. Retire do forno. Desenforme assim que tiver esfriado por completo.

    Brigadeiro: Em uma panela, coloque as latas de leite condensado. Adicione o chocolate em pó e o creme de leite. Mexa em fogo brando até ficar em ponto de brigadeiro cremoso. Reserve até esfriar.

    Montagem: Coloque o bolo já desenformado em um prato largo. Jogue o brigadeiro já frio no buraco do bolo até preencher. Despeje o restante para cobrir o bolo. Enfeite com granulado de chocolate. Sirva em seguida.

    Fonte: http://www.guiadasemana.com.br

    (0) Comentar
  • Gastronomia

    Domingo, 21 de Fevereiro de 2016

    Quando o assunto é culinária, muitos preferem se especializar em pratos salgados. Mas quem gosta de doces sabe como a confeitaria pode ser uma verdadeira ciência. Fazer um bolo, por exemplo, parece tarefa fácil como fritar um ovo. Mas um bolo perfeito possui seus segredos!

    No livro “Truques de Cozinha que Ninguém te Conta” (Editora Belas Letras), Gisele Souza ensina várias dicas infalíveis para se dar bem em receitas práticas do dia a dia. Entre os truques, estão 6 segredos para fazer o bolo perfeito. Confira!

    Dica de ouro

    Deixe seus ingredientes sempre em temperatura ambiente: as claras, por exemplo, tendem a ficar mais firmes; a manteiga/margarina com textura macia é mais facilmente incorporada aos demais ingredientes e também garante uma textura mais aveludada ao bolo. Retire os ovos, leite e manteiga da geladeira 30 minutos antes do preparo.

    Sem batedeira

    Você certamente cresceu vendo a batedeira ser usada, mas acredite: você pode fazer um bolo com um simples batedor de arame, afinal bolos simples não precisam ser superbatidos, apenas misturados.

    Na medida

    Sempre meça seus ingredientes com atenção. Tenha sempre em mãos um kit básico de medidas culinárias, assim você vai sempre acertar.

    No tempo certo

    Você pode querer abrir o forno para ver se está tudo bem, mas saiba que só é seguro abrir o forno 30 minutos depois que o bolo entrou. Se abrir antes, o ar frio faz com que ele murche. Então espere e olhe apenas através do vidro.

    Por último, o fermento

    Você provavelmente deve acreditar que o fermento só reage no forno, mas não é bem assim. A agitação da massa gera calor e ativa o fermento, ainda mais se estiver em um ambiente quente. Portanto, sempre o deixe por último para não correr o risco de perder a massa.

    Bolo pronto

    Terminar o tempo de cocção, olhe pelo vidro e veja se ele cresceu e parece assado, e repare se sua casa está com aquele aroma delicioso de bolo. Caso a resposta seja sim, abra o forno, espete um palito bem no centro e retire. Se ele sair limpo significa que seu bolo está pronto; se estiver sujo, precisa de mais tempo de forno. Nesse caso, deixe por mais alguns minutos e repita o teste do palito.

    Imagens: Reprodução.

    (0) Comentar
  • Gastronomia

    Domingo, 08 de Novembro de 2015

    Vindo de Portugal, o bolo de rolo foi introduzido no Brasil no Estado de Pernambuco. O verdadeiro bolo de rolo – muito comparado a outros tipos de "bolos enrolados" como o rocambole – tem uma receita e forma únicas.

    Sua origem está na adaptação do bolo português "colchão de noiva", uma espécie de pão de ló enrolado com recheio de nozes.

    Chegando aqui os portugueses trocaram o recheio pela goiaba, fruta abundante no nordeste brasileiro, sempre com muito açúcar dos engenhos da região. Até hoje é comum polvilhar o bolo de rolo com açúcar em sua camada externa, arrematando a apresentação da sobremesa.

    Durante muitos anos esse bolo ficou restrito aos senhores de engenho, e posteriormente aos governadores de Pernambuco. Um visitante ilustre não poderia sair de uma casa, sem degustar uma fatia de bolo de rolo como lanche ou sobremesa.

    Assim, foi sendo utilizado para estreitar os laços de amizade, como forma de agradecimento, presente ou mesmo para "derreter corações". Até o papa João Paulo II, quando em visita a Recife na década de 1980, provou uma fatia.

    Passando a ser cada vez mais conhecido e divulgado, o bolo de rolo ganhou fama e começou a ser feito em praticamente todos os estados do Nordeste, embora o original de Pernambuco guarde características diferentes tanto no sabor como na maneira de fazer.

    Pela Lei Ordinária nº 379/2007, o bolo de rolo foi reconhecido como patrimônio imaterial de Pernambuco.

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
  • Gastronomia

    Domingo, 26 de Julho de 2015

    Inspirados nas famosas verrines francesas, que acomodam refeições individuais em recipientes pequenos de vidros ou plásticos, e muito populares nos Estados Unidos, os bolos no potinho são a sensação da vez no Brasil.

    A verdade é que são tão gostosos que são uma excelente alternativa em toda e qualquer ocasião, até para quem quer inovar e impressionar os convidados em casa.

    Dispostos em camadas, dentro de potinhos transparentes, todos os elementos da receita ficam aparentes, assim como os naked cakes, o que dá um toque sofisticado ao mais comum dos doces. Sejam os clássicos pavês, ou bolos de brigadeiro ou de cenoura com chocolate: todos ganham uma apresentação ótima dentro do potinho.

    Além disso, encantam pelo tamanho, geralmente em versões individuais ou para duas pessoas. Ou seja: é mais cômodo para comê-los e – acredite! – bem fáceis de preparar.

    Os tamanhos dos potes variam, assim como o tipo de recipiente. Os mais usados são os de vidros, mas há também quem acomode a sobremesa em plásticos pequenos.

    Com os devidos cuidados em relação às embalagens, os bolos em potinhos continuam cheios de sabor e prontos para serem servidos por até 5 dias, se conservados em geladeira. O congelamento, porém, não é aconselhável, pois perde-se a qualidade, de acordo com os profissionais.

    (0) Comentar
  • Geral

    Domingo, 14 de Junho de 2015

    Se há um doce que não pode faltar nas festas juninas de Minas Gerais e Goiás é o bolo “Mané Pelado”. Dizem que o nome curioso homenageia um agricultor imaginário que, por superstição ou exibicionismo, colhia mandioca pelado.

    Na verdade, as explicações para a sua origem variam bastante. O fato é que, passado de geração para geração, é um excelente companheiro para o café da manhã e o lanche da tarde.

    Feito à base de mandioca ralada, o “Mané Pelado” é uma iguaria genuinamente brasileira. Pelos seus ingredientes, técnica de preparo e modo de servir, virou atração pelo país afora.

    Confira a receita dessa delícia!

    Ingredientes:

    1 kg de mandioca ralada

    3 xícaras (chá) de açúcar

    3 xícaras de leite (ou se preferir, 2 ½ de leite e 3 colheres de creme de leite)

    4 ovos inteiros

    3 colheres de óleo

    2 colheres de manteiga

    1 colher (sopa) de pó Royal

    100 g de queijo ralado

    100 g de coco ralado

    1 garrafa de leite de coco (200 ml)

    1 pitada de sal

    Canela e açúcar refinado para polvilhar

    Modo de Preparo:

    Rale a mandioca depois coloque a massa sobre um pano e torça bem para tirar um pouco da água da mandioca e reserve. Na batedeira bata bem os ovos e acrescente os outros ingredientes (menos a mandioca) bata um pouco e incorpore essa mistura à massa de mandioca, acrescente o fermento, misture delicadamente e coloque numa forma untada, leve para assar em forno pré aquecido a 180º por uns 40 minutos ou até doura por cima. Retire, polvilhe com canela e açúcar, deixe esfriar e sirva.

    (0) Comentar
Loja Goiânia

(62) 3093 1717

Newsletter

Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: