• Arquitetura

    Segunda-Feira, 30 de Maio de 2016

    Com vista para a baía de Sag Harbor e a ilha Shelter, nos Estados Unidos, uma casa de desenho super contemporâneo desfruta de uma paisagem deslumbrante!

    Assinado pelo escritório Blaze Makoid, o projeto leva em conta o cenário e exibe grandes portas de vidro deslizantes para seja possível contemplar a natureza abundante do lado de fora.

    A área social no piso térreo tem espaços fluidos e sem divisões, onde está instalada a cozinha, a sala de jantar e a área ao ar livre, com acesso à piscina.

    Uma vez por semana há uma competição de veleiros na baía, em frente à casa, por isso, há um pequeno deque no segundo andar para poder apreciar a paisagem e assistir à corrida.

    Nesse espaço há ainda um telhado verde, que dá a sensação de se estar em um jardim com espécies que podem sobreviver sem irrigação constante.

    Com um desenho inspirado no terreno que ocupa, a casa tem sua entrada em uma parte mais estreita e de lá se estendem duas alas, uma para a direita e outra para a esquerda.

    Entre os principais materiais utilizados na estrutura, estão pedras e a madeira cedro-vermelho. Nos revestimentos, destaque para o carvalho branco, que reveste o piso da área social. Já na área da piscina, o porcelanato foi o acabamento escolhido.

    A decoração exibe um mix interessante de peças que mesclam o estilo rústico e minimalista, criando uma atmosfera aconchegante de uma casa perto da natureza, mas sem perder a elegância.

    Imagens: Marc Bryan-Brown / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Sexta-Feira, 13 de Maio de 2016

    Camadas bem definidas segmentam uma casa localizada em Melbourne, Austrália, criada pelo escritório Jolson Architecture. Três fatias compõem o projeto, separadas por uso: coletivo, íntimo e lazer.

    No térreo ficam as salas de estar, jantar e de relaxamento, onde o ambiente é mais descontraído. O primeiro andar está a área privativa do casal, com o quarto principal, a biblioteca, o escritório e o terraço, na cobertura. No subsolo, reinam o entretenimento e os esportes. Um vazio central atravessa o volume, garantindo iluminação e ventilação a todos os pavimentos.

    Embora o exterior seja brutalista, os interiores são meticulosamente decorados. Os materiais utilizados do lado de fora penetram o edifício. A arquitetura esconde e integra os sistemas mecânico, elétrico e hidráulico. A solução eleita prioriza quatro pontos: luminosidade, calor, ligação dos espaços e continuidade de materiais.

    Por dentro da casa, volumes verticais e horizontais trabalham a luz natural e a sombra. Cada superfície tenta criar uma sequência, proporcionando uma experiência totalizante. Por isso os cômodos se interpenetram; as divisões dos ambientes não decorrem das paredes, mas das camadas de cores, luz e sombra.

    Lâminas de concreto alinhadas ao eixo norte-sul permitem que a insolação entre na casa sem delongas. Além disso, as aberturas incrustadas entre os pilares oferecem aos moradores um visual fragmentado em quadros, muito interessante.

    Nas paredes do átrio central há a aplicação de uma tela metálica, responsável por criar, no interior, sombras texturizadas que dançam pelas paredes e pelos pisos do térreo e do subsolo. Também o vazio age como uma chaminé térmica, levando ar fresco até a base, onde a lagoa tem efeito refrigerador.

    No andar inferior, semienterrado, a abundância de luz permite o uso de tons escuros. Ali aparecem então o aço, o couro e a pedra. O jogo entre a escuridão e a água da piscina cria uma experiência sensorial única.

    No andar superior, as cores assumem um papel diferente: o mobiliário claro é “dela”, e o escuro demarca a área “dele”, especialmente no escritório.

    Imagens: Peter Bennets / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 23 de Maio de 2016

    A Maggie's, instituição de tratamento e apoio ao câncer reconhecida no Reino Unido, inaugurou recentemente uma nova unidade na cidade de Manchester, projetada pelo premiado escritório londrino Foster+Partners.

    Todo feito de madeira e rodeado por vidros, o espaço está longe de parecer um hospital: possui acolhedores jardins que fazem com que os pacientes se sintam como se estivessem dentro da própria casa, apostando na arquitetura como parte da terapia.

    Organizado em um único andar com mezanino, perfil baixo similar ao das residências ao redor, o edifício é naturalmente iluminado por claraboias triangulares sustentadas por vigas de madeira.

    Essas estruturas agem suavemente como divisórias internas, dissolvendo a arquitetura aos jardins que circundam o espaço. Por todos os lados, a luz natural e o verde das plantas se faz presente.

    Cada sala de tratamento da porção leste possui seu próprio jardim privativo. A extremidade sul conta com uma estufa, onde os pacientes podem se reunir para a prática da jardinagem terapêutica. O paisagismo ficou por conta do Dan Pearson Studio.

    Corredores e identificações típicas de hospitais saíram de cena para proporcionar o clima de casa. A paleta combina cores suaves, vidro, madeira e superfícies táteis. Há espaços que incentivam reuniões, bibliotecas e salas de ginástica.

    O objetivo foi criar um edifício acolhedor, simpático e sem qualquer referência hospitalar. Um espaço cheio de luz, com vegetação, onde as pessoas possam se reunir, conversar ou simplesmente refletir.

    Imagens: Nigel Young / Foster+Partners / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Quinta-Feira, 26 de Maio de 2016

    Há cerca de um ano, na cidade de Tielt-Winge, na Bélgica, uma torre de observação de madeira foi queimada por vândalos, o que causou tristeza para os moradores que a consideravam um marco local.

    Superando a tragédia, a cidade foi além e criou no lugar um monumento que desafia os limites da gravidade: é o Vlooybergtoren, uma torre-escada 11 metros de altura e 13 toneladas que flutua em direção ao céu!

    Segundo os autores, do escritório Close to Bone, trata-se de “uma guerra contra seu próprio peso”. Funcionando como um mirante para a floresta, a novidade é a nova sensação arquitetônica na região.

    Para que ela se mantenha em pé, apoiada somente no piso, os arquitetos calcularam manualmente as forças que agem em cada elemento, definido os formatos por meio das medidas máximas. Treliças de aço agem como vigas estruturais para aguentar tais forças e dois amortecedores protegem a base contra vibrações.

    Sem frescuras decorativas, a estrutura é toda revestida de aço cortén, material que se mantém à prova dos estragos do tempo. Pré-fabricada, levou apenas metade de um dia para ser instalada no local.

    Imagens: Kris Van Den Bosch / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Quinta-Feira, 19 de Maio de 2016

    Marcando a abertura do evento “University’s New Life Sciences”, os jardins da Universidade de Bristol, na Inglaterra, ganharam recentemente uma obra de arte pública que representa a história da evolução do planeta.

    Criada pela artista Katie Paterson, com a colaboração dos arquitetos Zeller & Moye, o projeto Hollow é um espaço de meditação criado com amostras de 10 mil espécies de árvores, algumas delas com milhões de anos.

    É o resultado de uma pesquisa de três anos, que acabou formando uma das maiores coleções de espécies de árvores já vistas no Reino Unido, construída graças à generosidade de viveiros e colecionadores do mundo todo.

    A fachada assimétrica reflete as diferentes alturas das árvores, representando a diversidade de uma floresta.

    Ao entrar, é como se o visitante estivesse dentro da mata em miniatura, sentido o clima quente e denso e experimentando a monumental coleção de árvores ao seu redor.

    Logo acima, algumas aberturas no teto deixam a luz entrar, imitando como os raios de sol atravessam folhas e galhos.

    As amostras de madeira narram a história humana e do meio ambiente em todo mundo, com espécies de vários lugares, como a figueira indiana sob a qual Buda alcançou a iluminação, e a árvore de ginkgo, em Hiroshima, que sobreviveu a um dos episódios mais tristes da história.

    Algumas são incrivelmente raras, como fósseis de árvores como o cedro do Líbano, palma Phoenix e a methuselah, uma das mais antigas do mundo.

    Imagens: Max McClure / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Revestimentos

    Quarta-Feira, 18 de Maio de 2016

    A CASTELATTO oferece uma linha completa de PISOS e REVSTIMENTOS CIMENTÍCIOS, com FORMATOS, CORES e TEXTURAS diversos, com as mais VERSÁTEIS e INOVADORAS SOLUÇÕES para todos os AMBIENTES e ESTILOS. Sempre atenta às tendências de DESIGN, seus produtos promovem um VISUAL EXCLUSIVO aos espaços e permitem a PERSONALIZAÇÃO dos ambientes.

    Prova disso é o novo integrante da COLEÇÃO ECOBRICK, ECOBRICK STONE, que traz a RUSTICIDADE da tradicional PEDRA ESCULPIDA, transmitindo SOLIDEZ e FORÇA. Cada peça é ÚNICA, ou seja, SEM REPETIÇÃO de entalhe, da mesma forma que os TRABALHOS ARTESANAIS em PEDRAS BRUTAS.

    Com DIFERENTES TAMANHOS, podem ser MISTURADOS, permitindo DIFERENTES PAGINAÇÕES e PROJETOS CUSTOMIZADOS.

    Venha até a Aldeia e conheça mais sobre a coleção Ecobrick e os demais produtos Castelatto!

    Imagens: Castelatto / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Arquitetura

    Segunda-Feira, 09 de Maio de 2016

    Em um dia pra lá de comum os arquitetos dos estúdios franceses Saperlipopette Les Architectes e Martial Marquet Architecture receberam um chamado diferente: construir uma casa de árvore em um jardim que não tinha nenhuma árvore!

    Apesar do estranhamento em relação ao pedido, eles começaram a esboçar ideias e elaborar como realizariam tal façanha.

    O cliente, que havia prometido para seus filhos que construiria uma casa em um belo tronco de árvore, se viu numa fria: infelizmente, o único verde que existia por ali era parte da propriedade de seu vizinho.

    Apesar da dificuldade óbvia, a insistência das crianças fez com que os arquitetos não desistissem da ideia. Entre as visitas à residência, eles se depararam com um murado que rodeava o lote. Surgiu uma luz: criar uma casa no muro!

    Decidiram, então, colocar a casa sobre essa estrutura de cimento. Assim, desenvolveram um espaço de diversão que florescia onde antes era para ser apenas uma divisória de terrenos.

    Instalada entre a grama, folhas e flores, o ambiente ainda possui a mágica tão específica desses esconderijos. Feita de pinho, ela é dividida em quatro seções distintas, cada uma com um uso diferente, sendo a cabana o coração do projeto.

    Ali, as estacas se abrem um pouco, possibilitando que a luz invada o ambiente. A decisão principal, no entanto, foi intervir o mínimo possível em seu interior, para que as crianças se apropriem livremente dos espaços.

    Uma parte do teto pode ser erguida para a maior entrada de luminosidade. As crianças podem ainda brincar em uma das extremidades da construção, envolvida por uma rede, que serve de apoio para as costas, permitindo que as crianças sentem-se e se divirtam livremente.

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
  • Geral

    Sexta-Feira, 06 de Maio de 2016

    Ontem estiveram no nosso showroom a turma do curso técnico de Design de Interiores do SENAC, comandada pela professora arquiteta Rita de Cássia Esperidião Gebrim!

    Os alunos, muito curiosos sobre todos os produtos da loja, participaram muito entusiasmados das explicações técnicas da Equipe Aldeia!

    Ficamos muito felizes e honrados por podermos contribuir com o aprendizado dos novos profissionais. Sejam sempre bem-vindos à nossa casa!

    Imagens: Gesley Brasil.

    (0) Comentar
  • Revestimentos

    Quinta-Feira, 05 de Maio de 2016

    Depois do SUCESSO do primeiro ano da COLEÇÃO BRASILIANA, em 2016 a OCA BRASIL lançou NOVOS MATERIAIS de base e superfície para os REVESTIMENTOS das linhas, inspiradas na POÉTICA VISUAL BRASILEIRA em três períodos distintos da história do país.

    As linhas TRIBAL, COLONIAL e MODERNISTA, que se destacaram pelo uso do REVOLUCIONÁRIO material português VALCHROMAT – que mistura a TECNOLOGIA da PIGMENTAÇÃO na massa e a NOBREZA da MADEIRA – agora também são confeccionadas em MADEIRA TECA de REFLORESTAMENTO e passam a ser disponibilizados também na NOVA COR GIANDUIA.

    Criada em parceria com a designer de superfícies RENATA RUBIM, a coleção foi concebida dentro do FORMATO TRADICIONAL do LADRILHO PORTUGUÊS, com medidas de 20x20cm.

    Cada metro quadrado comporta 25 ladrilhos que contam um período histórico brasileiro, convidando o cliente a CRIAR, como ocorrido em coleções anteriores, dentro do conceito do PAINEL-ARTE, feito sob medida e permitindo a criação de PAINEIS ÚNICOS e AUTORAIS!

    Venha até a Aldeia e surpreenda-se com os produtos Oca Brasil!

    Imagens: Oca Brasil / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Revestimentos

    Quarta-Feira, 04 de Maio de 2016

    Este ano a PORTINARI apresentou ao mercado coleções que satisfazem todos os ESTILOS, sejam eles URBANOS, CLÁSSICOS ou NATURAIS – macrotemas representados por lugares que contemplam a ESSÊNCIA de cada estilo.

    Os JARDINS DA TOSCANA inspiraram as coleções do estilo natural; as BIBLIOTECAS DO MUNDO inteiro, ricas em história e cultura, foram a inspiração das coleções clássicas e os LARES cada vez mais inteligentes e funcionais, chamados de SMART HOME, traduzem o estilo urbano.

    São COLEÇÕES INÉDITAS, com DESIGN DIFERENCIADO e TECNOLOGIA de ponta que refletem em peças ÚNICAS e INOVADORAS. O destaque fica por conta da COLEÇÃO MUNDI, que reproduz um mapa-mundi antigo e empoeirado, ideal para AMBIENTES SOFISTICADOS.

    O DESIGN ESPECIAL dessa coleção a torna um lançamento com EDIÇÃO LIMITADA, para deixar os ambientes ainda mais EXCLUSIVOS!

    Venha até a Aldeia e conheça mais sobre os produtos Portinari!

    Imagens: Cerâmica Portinari / Divulgação.

    (0) Comentar
  • Posts anteriores
  • Loja Goiânia

    (62) 3093 1717

    Newsletter

    Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: