• Gastronomia

    Domingo, 03 de Janeiro de 2016

    Apesar de ser uma iguaria tão brasileira, só há pouco tempo a tapioca conquistou o país todo. E ela certamente veio para ficar. Reconhecida não só por quem busca uma vida fitness, como também por aqueles que gostam de sabor, ela pode ser salgada ou doce e é uma delícia para qualquer momento do dia. Mas apesar de parecer simples, nem todo mundo acerta no ponto da tapioca. Não basta colocar a massa na frigideira e rechear, há alguns truques. Quer saber quais são eles? Confira algumas dicas para fazer a tapioca perfeita!

     

    Para deixar crocante, peneire!

    O segredo da consistência crocante da tapioca é passar a farinha pela peneira. Quanto mais fina deixar a massa, mais crocante e molinha a tapioca vai ficar. Para peneirar, pressione uma colher sobre a tapioca já posta na peneira até ela passar por inteiro.

     

    Tamanho certo

    O tamanho e a espessura da tapioca vai depender do gosto, mas o padrão costuma ser de cerca de 15 cm de diâmetro (80g). Quanto mais fina, maior o risco de que a massa fique ressecada.

     

    A panela ideal

    A tapioca pode ser feita em uma frigideira teflon, panela de ferro específica para o produto ou chapa. Normalmente não é preciso adicionar nada ao recipiente, pois a própria tapioca já é antiaderente. Mas em uma frigideira mais áspera talvez seja necessário um pouco de manteiga para que ela não grude.

     

    O ponto certo

    Com o fogo médio para alto, basta espalhar a massa pela panela ou chapa usando uma colher, espalhando até formar um círculo. Abafe a tapioca com a tampa, para um cozimento mais uniforme. Quando você mexer a frigideira e a tapioca se movimentar, significa que está no ponto. É possível virá-la nesse momento, mas não é necessário assá-la dos dois lados, dependendo do gosto. No ponto certo, a tapioca deve estar úmida, sem desmanchar ou quebrar.

     

    Recheando

    O recheio deve ser adicionado sobre a tapioca ainda no fogo, geralmente sendo colocado apenas de um lado da goma. Uma dica legal é fazer uma tapioca um pouco mais grossa quando o recheio for doce para que as caldas não vazem. Já na salgada pode fazer mais fininha para deixá-la mais crocante. Ela pode ser servida aberta, dobrada em meia lua, como é mais comum, ou enrolada. Para deixar a massa mais macia o segredo é regá-la com manteiga de garrafa.

     

    Onde guardar a farinha de tapioca?

    O melhor lugar, segundo os especialistas em armazenamento, seria em temperaturas baixas, como a geladeira (e não no congelador). O pote deve ser bem fechado, e fique de olho na validade!

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
  • Gastronomia

    Domingo, 11 de Outubro de 2015

    Nos últimos anos a tapioca tem ganhado cada vez mais espaço no dia a dia das pessoas, substituindo alguns alimentos tradicionais, como o pão do café da manhã no cardápio do brasileiro.

    Muito consumido pelos índios, o alimento até pouco tempo era típico e restrito apenas às regiões norte e nordeste do país. No entanto, hoje ocupa cada vez mais o status de protagonista, e se espalha por todo o país.

    Com um impressionante valor nutricional, sem gordura, glúten e sódio em sua composição, e fácil de preparar, a tapioca está na moda. Mas você sabe de onde ela vem?

    A mandioca é certamente a raiz brasileira mais presente de norte a sul do Brasil e com uma importância histórica e cultural incrível, o que faz dela muito mais que apenas um ingrediente.

    É muito comum consumirmos diversos produtos e não atentarmos para a sua origem ou como ele é feito, e a tapioca é um grande exemplo disso, já que poucos sabem que é um subproduto da mandioca.

    A tapioca é basicamente a fécula da mandioca, ou goma da mandioca, ou polvilho doce, ou ainda polvilho azedo, e o seu processo de obtenção é muito simples.

    Na primeira etapa de produção descasca-se a mandioca e em seguida ela é triturada até virar uma massa bem fina. Essa massa é misturada com água, peneirada e deixada para descansar a fim de decantar.

    Após um período, a mistura já estará separada em duas partes, sendo a água a parte superior e a goma da mandioca (tapioca) a inferior (no fundo).

    A última etapa consiste na secagem, que pode ser feita natural (ao sol) ou artificial. A produção da tapioca remete ao que de fato é o produto e o seu preparo: simplicidade.

    Imagens: Divulgação.

    (0) Comentar
Loja Goiânia

(62) 3093 1717

Newsletter

Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: