• Geral

    Domingo, 11 de Janeiro de 2015
    Alfajor: uma delícia quase cosmopolita

    Se pudéssemos escolher um doce como o mais representativo da confeitaria Argentina, provavelmente o alfajor seria o mais votado.

    A tradição dessa iguaria permeia os 130 anos. A história, porém, nos leva um pouco mais longe, na origem da palavra al-hasu, que significa “recheado”. Como o torrone e o xarope, o alfajor é uma antiga invenção culinária de origem árabe, tradicionalmente feito de massa de amêndoas, nozes e mel.

    Foi introduzido na Espanha no início do século VIII, quando os árabes derrotaram o último rei dos visigodos. A influência árabe permeia a península ibérica e os hábitos alimentares são um bom exemplo disso.

    Com a posterior conquista espanhola em grande parte do novo continente americano, essas receitas começaram a se espalhar pelo mundo. 

    Na Argentina levou um tempo razoável para ser conhecido como “alfajor”, o que ocorreu no século XIX. Muitos atribuem a origem do alfajor à cidade de Córdoba, onde em certos redutos religiosos árabes preparavam estas receitas, incluindo bolos quadrados unidos por um doce feito de leite e açúcar, com um revestimento açucarado chamado de “cobertura”.

    A industrialização do alfajor se deve a Augusto Chammas, químico francês que chegou à Argentina em meados do século XIX e abriu uma pequena empresa familiar em Córdoba, voltada para a fabricação de doces e compotas. A mudança não foi maior, mas essencial: em vez de quadrado, o novo formato passou a ser redondo, tal como a conhecemos até hoje com o nome de alfajor.

    Comentários

    • Não há comentários para esta postagem.

    Deixe seu comentário, sobre esta matéria.

    (0) Comentarios
Loja Goiânia

(62) 3093 1717

Newsletter

Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: