• Geral

    Sábado, 21 de Fevereiro de 2015
    “Um Santo Vizinho” traz Bill Murray em papel rabugento e adorável

    (St. Vincent, EUA, 2014)

    De Theodore Melfi. Com Bill Murray, Naomi Watts, Melissa McCarthy, Terrence Howard, Chris O'Dowd, Scott Adsit, Nate Corddry, Katharina Damm, Alexandra Fong, Selenis Leyva e outros.

    Às vezes, entre tanto pessimismo diário, tudo o que precisamos é de uma história positiva – não sobre uma grande superação cheia de sofrimento, mas sobre pequenas atitudes boas, sobre situações ruins que encontram soluções inesperadamente simples. Às vezes, tudo o que precisamos é de um filme como “Um Santo Vizinho” – de preferência com Bill Murray no papel principal. 

    O longa de Theodore Melfi (“Winding Roads”) parte de um clichê: a criança esperta derrete o coração de um adulto rabugento. Mas usa-o apenas para expandi-lo, construindo a partir daí um roteiro com personagens curiosos e subtramas bem amarradas. 

    Murray é Vincent, um veterano de guerra que lutou no Vietnã e hoje vive sozinho com um gato e cultiva como amante e amiga uma prostituta grávida (Naomi Watts). Certo dia, um novo par de vizinhos se apresenta à sua porta: uma mãe em processo de divórcio (Melissa McCarthy) e um garotinho de 11 ou 12 anos chamado Oliver (Jaeden Lieberher). 

    O passado de Vincent vai se revelando aos poucos, enquanto Oliver passa suas tardes com ele após as aulas. A mãe trabalha num hospital local e raramente consegue voltar cedo para casa, mas a ausência não chega a ser tratada como um grande problema (e, sim, como uma provocação eventual). 

    “Um Santo Vizinho” foge de situações melodramáticas e sugere outros caminhos, como uma briga de escola que logo se transforma em amizade, um professor de religião que aceita todas as crenças, uma briga judicial que acaba não sendo tão ruim assim e uma doença que, encarada com naturalidade, deixa de ser um bicho de sete cabeças. 

    Leve, mas tocante, a comédia dramática é um programa perfeito para aqueles dias em que se procura um filme simplesmente adorável – nem esquecível demais, nem sofisticado demais. Na medida certa.

    Comentários

    • Não há comentários para esta postagem.

    Deixe seu comentário, sobre esta matéria.

    (0) Comentarios
Loja Goiânia

(62) 3093 1717

Newsletter

Para receber as novidades da Aldeia, cadastre seu e-mail aqui: